Cemitério Judeu

Situado na zona de Rotchina, o cemitério é um patrimônio arquitetônico que marca integração da comunidade judaica na ilha, uma comunidade que chegou na ilha nos meados do século XIX (19), as sepulturas são a confirmação da existência dessa comunidade, os descendentes dos mesmo ainda estão na ilha e são uma grande parte da comunidade boavistense, para não dizer que todos da boavista tem conexão com os descendentes de judeus da ilha, mas que não são praticantes do judaísmo. A mais da maioria é Cristã, mas a importância desta localidade não se pode deixar de lado, o cemitério judeu é considerado uma das heranças mais interessantes preservando a memória judaica na boavista.

O rei Mohamed VI do Marrocos financiou o restauro de vários outros cemitérios espalhados pelo país, onde a herança dos judeus se vê e que com certeza se confunde com a nossa história, fazendo um trabalho de preservação das sepulturas, dando uma nova cara às sepulturas e dignidade merecida. 

A presidente do projecto de conservação da herança judaica em Cabo Verde (Cape Verde Jewish Heritage Project), Carol Castiel, disse na ocasião que “os descendentes dos judeus sepultados nesses cemitérios foram a inspiração” para a criação da Cape Verde Jewish Heritage Project e para a implementação dos projectos de restauro. Nesse projeto se constatou que com a abolição da inquisição com o tempo, muitos judeus marroquinos estabeleceram-se em Gibraltar e alguns, posteriormente, fixaram-se em Cabo Verde em meados do século XIX, viajando com passaportes britânicos, e instalaram-se, sobretudo, nas ilhas de Santo Antão, São Vicente, Boa Vista e Santiago, onde se dedicaram, principalmente, ao comércio internacional.

As inscrições em hebraico e em português, nos túmulos, em várias ilhas do arquipélago, indicam que a maioria destes judeus era oriunda das cidades de Tânger, Tetuão, Mogador (atual Essaouira) e Rabat, e tinha apelidos sefarditas como Anahory, Auday, Azencot, Benoliel, Benrós, Benathar, Benchimol, Brigham (Ohayon), Benaim, Cohen, Levy, Maman, Pinto, Seruya e Wahnon.

Galeria