A morna de Capo Verde

Morna é música tradicional cabo-verdiana. A música descreve a realidade dos pensamentos de um povo ou nação em particular. Através da música, você pode aprender um pouco sobre a cultura, hábitos e crenças populares, moral e tradições de um povo. Musicalmente, todo povo se expressa de acordo com seu gênero, sua idiossincrasia, seus momentos e circunstâncias.

Na história da Morna estão ligados vários elementos de várias origens: os gemidos árabes, os alegres ritmos africanos, os cânticos dos colonos, ou seja, os cânticos da zombaria e a maldade dos conquistadores portugueses. No entanto, o escravo, e não o colono, era o portador do lamento, porque ele representava a classe mais oprimida e vivia em um ambiente de sofrimento.

Tudo indica que a Morna nasceu na ilha da Boavista de 1780 a 1850, pelo menos um tipo de proto-morna, com possíveis influências do “doce choro do lundum”, vindo de Portugal, e da “modinha” do Brasil. A Morna de Boa Vista foi caracterizada (e ainda é) por um movimento de estilo mais rápido e roubado. Talvez uma das primeiras peças de Morna conhecidas tenha sido a “Babilônia”, provavelmente composta por Maninha Santos, da Povoação Velha, uma pequena cidade no coração da ilha.

O Morna é o género musical que mais identifica o povo cabo-verdiano. É realmente um símbolo nacional, assim como o tango é para a Argentina, rumba para Cuba, fado para Portugal, etc. Alguns gêneros musicais de Cabo Verde são mais ou menos apreciados pela população local, com base na idade do ouvinte, na estação , a ilha de origem, o gosto pessoal, mas a Morna é o único gênero que pode ser amplamente transversal em todas as faixas etárias, cronológica e geograficamente.

É também o único género que sempre gozou do carácter mais prestigioso e “nobre” de Cabo Verde. Sendo um dos poucos gêneros musicais que até recentemente, nos anos 70, havia sido implantado em todas as ilhas do país, é cantado por todos, escutado por todos e em todos os ambientes, festivos e tristes.

A Morna é um dos muitos géneros musicais em Cabo Verde, juntamente com Coladeira, Funaná, Batuku, Colá San Djon, Bandeira e Finaçon. Sua peculiaridade, juntamente com Coladeira, é que provém dos dois gêneros musicais que conseguiram extrapolar a fronteira das ilhas, que conseguiram superar a descontinuidade territorial, pelo menos até a década de 1970.

É um gênero musical no qual são cantados amor, desejo, nostalgia, tristeza, dor, lamentação, traição, ciúme, infortúnio, lua, mar e partida. É composta principalmente na língua cabo-verdiana, o kriolo, uma língua que existe como veículo de comunicação na ilha de Santiago a partir do século XIX, embora também haja composições em português.