A historia de Cabo Verde

De acordo com as fontes oficiais, Cabo Verde terá sido descoberto em 1460 por navegadores italiano e portugueses. Quando estes primeiros exploradores chegaram às ilhas, elas eram desabitadas, o que foi favorável para a sua ocupação e povoamento a partir de 1462. Nesse mesmo período, fundaram a cidade de Ribeira Grande na ilha de Santiago (atualmente Cidade Velha). Para a construção, foram trazidos escravos nativos da costa oeste africana. Daí, Cabo Verde começou a funcionar como um entreposto comercial e estratégico particularmente no tráfego de escravos entre as Américas, Europa e África. Cedo, o arquipélago tornou-se num centro de concentração e dispersão de homens, plantas e animais.

Mais tarde, outros exploradores também desembarcaram em Cabo verde, como Charles Darwin, um cientista naturalista que chegou ao país em 1932. Realizou alguns estudos sobre suas teorias evolucionárias, usando como referência, certos tipos de plantas e animais encontrados apenas em climas parecidas ao de Cabo Verde. Para aprofundar visite a história dele no website Darwin Online.

Sir Francis Drake, corsário inglês, saqueou a cidade de Ribeira Grande de Santiago por 3 vezes entre 1576 a 1586. Até 1747, as ilhas permaneceram sob domínio português e prosperaram até a chegada das secas mais severas e consequentemente, a fome. A sobre-exploração dos rebanhos e o desmatamento feroz não fez nada mas piorar as coisas, impedindo que a baixa umidade residual do solo fertilizasse os campos. A fome e a seca tem ocorrido por diversas vezes no arquipélago entre 1580 a 1950 resultando assim na morte de centenas de milhares de pessoas sendo as duas pior delas ocorridas entre 1941-43 e 1947-48 dizimando assim, mais de 45.000 vidas. Na época do ocorrido, Portugal não enviou nenhuma ajuda. A economia local baseava-se sobretudo no comércio de escravos que sofreu um declínio mais acentuado no final do século XIX, levando o país a mudar para uma atividade econômica diferente e mais moderna, baseada na agricultura e pesca.

Entre 1800 a 1900, muitos cabo-verdianos emigraram para os Estados Unidos, atraídos pelo sonho americano e a prática de alguns baleeiros americanos no recrutamento de marinheiros das ilhas do Fogo e da Brava. No final do século XVIII, as ilhas se tornaram num importante ponto do Atlântico para o fornecimento de carvão, água e animais solicitando assim uma expansão crescente do transporte marítimo. No entanto, durante a primeira metade do século XX a seca continuou e Portugal permaneceu indiferente. Morreram de fome milhares de pessoas. Embora nessa época os cabo-verdianos foram maltratados por seus governantes, alguns foram privilegiados com a educação (ao contrário de outras colónias portuguesas em África) quando foi estabelecido o primeiro colegial. No momento da declaração da independência, cerca de 30% da população eram alfabetizados, comparado com 5% de outras colónias portuguesas. A partir do ano de 1960, na Guiné-Bissau tinha começado a mais longa guerra de libertação da África que os cabo-verdianos também tomaram parte, contra o ditador português, Salazar.

Cabo Verde torna-se independente em 1975, e apesar de nunca ter vivido um dia sequer de guerra no arquipélago, participou muito no processo de descolonização da Guiné-Bissau e Cabo Verde. Em 1980, apesar do clima branda e a duplicação das plantações, a seca ainda persistia. Isto levou o país a procurar ajuda internacional para o fornecimento de alimentos. Finalmente, em 1991, houve as primeiras eleições multipartidárias e o partido MPD (Movimento para a Democracia) venceu com 70% dos votos, sob a liderança de Carlos Veiga como primeiro-ministro e António Monteiro, presidente da República. Ambos foram re-eleito no ano seguinte com a nova Constituição. No início dos anos 90 teve algumas divisões dentro do partido (por causa do lento crescimento econômico devido à seca), até 1995, quando foi re-eleita no país.

Um novo presidente e um novo primeiro-ministro foram eleitos em 2001, retornando ao poder o Partido Africano para a independência de Cabo Verde (PAICV, partido da oposição). Em 2002, pela primeira vez, o governo pediu ajuda para bens alimentícios às Nações Unidas devido à nova seca. Cerca de 160.000 pessoas foram salvos da fome pelo programa alimentar mundial em 2003. Alguns países e organizações como Portugal, França, Países Baixos, o Banco Mundial e a CEDEAO contribuíram fortemente para financiar alguns projetos da política do, então, novo primeiro-ministro José Maria Neves. O forte investimento em turismo, com a construção de infraestruturas necessárias (por exemplo, aeroportos internacionais, portos e rodovias), alargamento dos planos de construção e terrenos agrícolas, bem como uma política económica reajustado na pesca e turismo começaram a trazer crescimento e bem-estar em Cabo Verde, que recentemente tinha sido descoberto por operadores turísticos de todo o mundo e reforçada por investimentos privados substanciais.

O futuro do país está nas mãos de jovens Cabo-Verdianos e de boa política: se o primeiro não foi influenciado demais pela globalização, o segundo será capaz de mediar entre desenvolvimento e sustentabilidade, Cabo Verde está destinado a se tornar um dos destinos mais desejados do mundo.

X