Associação Nerina

Somos um casal Ticino, Nathalie Weiner Zeli e Spartaco Zeli. Nós dois temos cerca de cinquenta anos. Não temos filhos por opção e vivemos uma vida pacífica e normal em nosso amado Ticino. Decidimos em 2015 adquirir um apartamento no calor mesmo no inverno e quase por acidente acabamos na ilha de Boa Vista, na República de Cabo Verde. Gostamos da ilha imediatamente: praias sem fim, mar cristalino, peixes excepcionais, pessoas sorridentes e simplicidade de vida. Já por ocasião de nossa primeira estadia, conhecemos Nerina (sua dona chamada Toquinha). Nerina nos acompanhou por todas as nossas estadias seguintes. Até meados de março de 2016. Após a nossa chegada, ele não fez de nós as festas habituais. Coxo após um acidente de carro, com uma lesão nas costas e mãe de um filhote de um mês e meio.

Chegando na sexta-feira, a situação nos pegou despreparados … e no domingo o desastre. Para se proteger do sol, o filhote estava deitado debaixo de um carro estacionado. Quando o carro saiu, ele o esmagou. Desde então, Nerina e seu filhote, a quem chamamos de Puce, não estão mais sozinhos na rua. Spartacus e eu sempre tivemos animais. Nosso amor por eles sempre esteve presente, mas a partir desse momento preciso nossa vida mudou.

Tivemos que lidar com a situação de saúde animal na ilha. A associação fezia cambalhotas com pouquíssimos meios disponíveis. Um exemplo: as radiografias eram realizadas à noite e secretamente no centro de saúde. Os dois cães partiram entre mil vicissitudes conosco na direção de Ticino. Puce recuperou o uso das pernas traseiras em dois meses, mas Nerina estava portando uma infecção nos rins. Após 4 meses de carinho e amor, ela alcançou um estado de não retorno … tivemos que fazê-la dormir para sempre.

Como eu disse antes, Nerina mudou o curso de nossa vida. A primeira decisão foi fundar a Associação Nerina Svizzera / Boa Vista. Esta associação foi criada com o objetivo de garantir um ponto de apoio às associações locais de Boa Vista de natureza logística e financeira na Europa. Em 2016, compramos terrenos na área industrial de Sal Rei (capital da ilha) e, com a ajuda gratuita de um arquiteto de Ticino, projetamos um refúgio com clínica para a ilha e, em maio de 2017, iniciamos a construção.

Em julho, me mudei permanentemente e meu marido Spartaco se juntou a mim em agosto. Em janeiro de 2018, já estávamos recebendo os primeiros cães e em fevereiro o primeiro paciente. A estrutura consiste em uma parte do box, na qual podemos acomodar sessenta cães e vinte gatos, e uma clínica completa com sala de espera, sala de exames, sala de raio, sala de operação, sala de pós-operação, farmácia , laboratório e sala técnica / de higiene. Também em 2018, foi decidido fundar a “Associação Nerina de Apoio aos Animais” aqui também. Fizemos isso em julho.

Os objetivos

Desde o início de nosso projeto, seguimos uma política baseada em cinco objetivos: Forneça suporte veterinário profissional e moderno a todos os cães e gatos da ilha.

Para alcançar nosso primeiro objetivo, começamos a trabalhar com o único veterinário presente na ilha. Logo percebemos a quantidade de trabalho que estava nos sobrecarregando. Aqui estão as doenças que se tornaram raras na Suíça.

Com o fato de esse veterinário também trabalhar para o ministério da agricultura e do meio ambiente, percebemos que não podíamos contar com ele em emergências. Por isso, procuramos um veterinário que trabalhasse apenas para nós. Encontramos isso na  Laura Peteiro Sanchez, que trabalha para nós desde outubro de 2018.

Proteger cães e gatos em perigo: Durante nossa atividade, estamos sempre disponíveis 24 horas por dia e 7 dias por semana para proteger cães e gatos em perigo. De fato, no início de nossos negócios, fomos confrontados com vários casos de envenenamento e tivemos que reagir e esvaziar bairros inteiros da capital para proteger os animais do risco de serem envenenados.

Promoção de adoções responsáveis: No primeiro ano de atividade, conseguimos 34 cães e 2 gatos adotados.

Realizando campanhas de esterilização frequentes e gratuitas: Em 2018, com apenas duas campanhas, conseguimos rodar 420. De 2018 a hoje, operamos mais de 1100 cães / gatos. Este ano, foram realizadas duas campanhas em colaboração com o Tierärztepool.de, e a terceira acabou de terminar e foi realizada de 14 a 18 de novembro de 2019. Claramente, nosso veterinário esteriliza quase diariamente. No total, esterilizamos cerca de 1300 animais.

Sensibilização / educação para os donos de cães e gatos: Em 2018, começamos a trabalhar com crianças do ensino fundamental. A educação é uma parte constante do nosso trabalho. Trata-se principalmente de aumentar a conscientização sobre prevenção de doenças e cuidados com os animais. Passamos então ao comportamento quando confrontados com cães. Aqui, se um cachorro late, ele corre o risco de receber pedras e os cães quase não se esquecem.

Hoje trabalhamos com capacidade total. Nossa associação trabalha com 3 pessoas em período integral. Nossa equipe é composta da seguinte forma:  veterinário, um gerente de atendimento em barracas que mora no abrigo e uma mulher para fazer a limpeza. Nós dois fazemos um pouco de tudo: desde ajudar o veterinário durante as operações até trocar de roupa, coletar animais feridos na rua, preparar animais para as operações, levantar fundos e prestar contas, sem mencionar a substituição de funcionários  de férias semanais ou férias ou doença.

Nosso refúgio hoje tem cerca de setenta cães e cerca de quarenta gatos parados. Estamos um pouco lotados. Para não perder nada, também temos Romeo, um filhote de burro que perdeu a mãe após um acidente de carro e Dorotea, uma tartaruga de Olivacea que foi pega na rede dos pescadores e machucou as barbatanas.

Quem nos visita fica impressionado porque conhecemos todos os nossos convidados pelo nome. É absolutamente normal para nós. Além de amá-lo como se fosse nosso, quando conversamos com a equipe, é importante ter uma referência vinculada a um nome. Em toda a cidade de Sal Rei, temos cães que respondem ao nome que lhes demos: Scotty, Nerona, Pretinha, Pirata …

Criamos um relatório de saúde que acompanha a vida de nossos amigos. Estamos vacinando bastante e agora temos um documento de Cabo Verde.

Projetos e Futuro

Ainda temos planos para nossa estrutura em mente. Uma área de quarentena está em construção, mas ainda falta cobertura, água e eletricidade. Nos faltam os fundos e o tempo para terminá-los, mas isso está assumindo uma importância vital. Basta pensar que, no caso de uma epidemia, colocaríamos em risco animais parados. No futuro, gostaríamos de poder colocar o microchip em todos os cães e gatos com proprietários. O objetivo é ter um banco de dados como na Europa.

Colaboramos com todas as associações espalhadas pelas ilhas de Cabo Verde e desta colaboração surgiu a ideia de criar uma organização de chapéus para reunir todos no interesse de proteger os animais. Em suma, ainda há muito o que fazer e não nos falta o desejo. A situação aqui é difícil e às vezes muito difícil de viver. O que nos leva adiante são os resultados. São tangíveis e não é impossível alcançar um estado de boa convivência entre homens, cães e gatos.


X