O idioma e o Kriol cabo-verdiano

Crioulo ou Kriol é gerado desde os primeiros anos da população, no final do século XV, pela necessidade urgente da compreensão mútua entre os escravos, provenientes de diferentes  tribos da Guiné e com colonos europeus, provenientes principalmente de Portugal. Naturalmente, o “reinol” (língua do Reino, ou seja, Português) foi a matéria-prima para a fabricação desta língua, surpreendentemente simples e clara, forjada nos contatos diários entre todos os participantes, num processo que começou com uma entrada clássica  de comunicação comercial e que mais tard elaboraria uma linguagem capaz de expressar com idéias e sentimentos de riqueza, capazes de gerar manifestações linguisticas muito rica como por exemplo, a morna.

O crioulo é o que é tecnicamente chamado de uma língua neo-Latina e está totalmente envolvido em Português, ao ponto de despertar um interesse recentemente pelos lingüistas que procuram elementos residuais de um português arcaico. Apesar do desejo de estabelecer um crioulo bem definido como língua oficial, ocorre em uma “sem terra”, que traz um número significativo de estudiosos ( crianças em idade escolar) a situação critica para o qual sem aprender o Português (o que não deixou de ser a língua oficial de Cabo Verde), não são capazes de se expressar por escrito em crioulo. Uma situação que requer atenção urgente, pois existe o risco de deixar uma geração privada de acesso à cultura.

É essencial para aplicar as disposições da constituição de Cabo Verde, que é criar efetivamente as condições para o crioulo se tornar em vigor o idioma oficial do país, como o Português.