A arquitetura de Boavista e Capo Verde

O principal património arquitectónico de Cabo Verde consiste na Cidade Velha, a cidade da Ribeira Grande de Santiago e a primeira cidade portuguesa construída em África.
Recentemente classificada pela UNESCO como Património Mundial, a Cidade Velha tem vários monumentos de grande importância histórica, como muito poucos deles ainda estão intactos. Nossa Igreja Sra. do Rosario, construída no sopé da encosta do lado ocidental da Ribeira, em estilo manuelino, é, como o Pelouirinho (1520), em pleno centro do país, perto da praia, no melhor preservada XV (1495). A Igreja da misericórdia, o Hospital de mesmo nome, casa do quarto e da cadeia, não permanecem vestígios, embora se saiba que a Paróquia de nossa Sra. da Concepção foi construída a partir de 1562 e permite supor que foi a  construção da primeira igreja neste momento. Do século XVI, continua a haver o Convento de S. Francisco, ruínas estabilizadas, ao norte da Igreja do nossa Sra. do Rosário, no local onde os navios foram equipados.

Da plataforma de S. Bràs, onde o veio os jesuítas para estabelecer-se no início do século XVII, também não manteve-se qualquer coisa. Do lado oposto, bairro Bairro de São Sebastião ver as ruínas da Catedral, em obras de restauração, que durou mais de um século, entre 1555 e 1693, e não ficou mais restos do Palácio Episcopal, com a sua biblioteca e arquivos (o Tombo Velho, que foi queimado “sem que permanecem apenas um Breviário para dir massa”como ele escreveu em 1712 bispo Francisco de Santo Agostinho), nem do Presidium. De facto, tendo-se tornado a cidade em 1533, Ribeira Grande vai pagar caro seu sucesso estrondoso, sofrendo terríveis incursões e saques por piratas ingleses, franceses e holandeses, num momento em que eram os mesmos países de origem para apoiá-los em seu trabalho de destruição e ursos.

Em uma tentativa de parar a acelerada decadência da cidade, após um ataque devastador do famoso Francis Drake (1585), foi construído de 1593 a fortaleza de s. Filipe, na esplanada com vista para o local. O tipo da cidade foi marcado. Destruído, despovoadas, Ribeira Grande poderia não ter resistido outros ataques de piratas, que culminou com o que o francês Jacques Cassard perpetrado em 1712, no fogo depois predados tudo, um tesouro com valor às vezes de 3 milhões de libras.

No final de 1769, o capital é Praia de Santa Maria e Ribeira Grande recusou o estatuto de vila em ruínas. Praia, que se tornou cidade em 1858, é o herdeiro de R. grande, mas não da sua monumentalidade, traumatizada pela destruição sofrida por seu antepassado. Aqui cresce no platô, o primeiro pequeno planalto onde hoje o de D. Afonso de duplas-Praça cidade Albuquerque, onde edifícios institucionais da capital: o Palácio do governo (Presidência da República), da Câmara Municipal, a Catedral, o quartel.
Hoje, todo o  platô é considerado um complexo arquitetônico a ser preservado, no qual se concentram todas as instituições: o Palácio da Justiça, ministérios, Imprensa Nacional, o Liceu Adriano Moreira (Domingos Ramos), hospital, mercado, Igreja do Nazareno, o cinema, o ensino médio, o banco de Cabo Verde, o Museu Etnográfico e outros edifícios nobres, muitos dos quais são ocupados atualmente por bancos, actividades comerciais e pequenos hotéis. Os monumentos para o descobridor Diogo Gomez, em frente ao palácio presidencial e Amìlcar Cabral, pai de Cabo Verde independente, são dois monumentos emblemáticos da história social e política de Cabo Verde.

Os edifícios de vários andares no Fogo têm valor histórico e dominou as varandas muito elevado-assoalho. S. Filipe é um testemunho de séculos em que C. Hall, a Igreja e o palco da Praça. Permanecem em S. Nicolau o edifício que sediou o seminário-highschool (1866-1931), na Ribeira Brava, a Igreja e o busto do Dr. Jose Jùlio Dias. Dominam a Preguiça, Fort do Príncipe, o Padrão das Descobertas e capp. de nossa Sra. dos Navegantes. Para o velho Calejão Orfanato das Irmãs do Amor de Deus em ruínas, à espera de ser restaurado para abrigar o Museu de arte sacra.

Em Santo Antão, Ribeira Grande (herdeiro para o nome da capital o primeiro cabo-verdiana) e Ponta do Sol, Porto Novo, o que mantém o charme da arquitetura colonial da época em que eles foram construídos. Rua central da primeira, perto de montanhas, está rodeado por edifícios antigos e relativamente alta, com o House como pano de fundo, Marçal, um complexo arquitetônico agradável e acolhedor. Enquanto na Ponta do Sol a Câmara Municipal, hospital e Igreja, bem como a espaçosa Praça, enquadra um todo harmonioso sobre o qual a voz de morna canta que “não pode haver um lugar mais agradável!”. Santo António das pombas foi erguida uma estátua do Santo no topo da colina, em referência não só para os habitantes locais, mas para quem visitar a Ribeira do Paùl. A meio caminho da Povoação, acima do mar, a sinagoga, um sinal de uma forte presença de judeus na ilha, agora em ruínas, é casa para o desenvolvimento de uma unidade de turismo.

Apesar de ter sido povoada e urbanizada tardiamente, S. Vicente possui um impressionante edifício na cidade do Mindelo, onde Blockhouse do rei, 1852, Gil Eanes Lyceum, no segundo trimestre do século XX (que foi há algum tempo os correios); a Câmara Municipal, em estilo colonial; a Capitania (réplica da Torre de Belém, em Lisboa); o mercado municipal; Banco Nacional Ultramarine (que deu origem ao BCA), Palacio do Governo (palácio presidencial), a igreja paroquial, do Porto Grande hotel, bem como o Quiosque (quiosque) e Cristo (estágio) da Praça Nova e alguns estátua pública. Ilha da Brava é um modelo de harmonia arquitetônica, com suas casas brancas e cinzas, a pedra bonita paredes quadrada, alinhadas com particular ênfase para a elegância sóbria de Nova Sintra, dominada pela estátua de Eugènio Tavares (poeta). A casa de sua residência, na parte superior da cidade, agora é a casa-museo Eugènio Tavares. A cidade de Maio, também conhecido como Porto Inglês, é dominada pelo castelo, construído na mesma época de S. Filipe, Ribeira Grande, por sua vez, sob a supervisão da igreja: um ícone da ilha acima da praça Central.

Em Boavista, Sal Rei preserve um complexo arquitectónico notavel, que remonta ao momento em que  o sal era um comércio importante e  os comerciantes e políticos vieram se instalar em casas senhoriais de dois ou três andares. É este tempo a casa de Benoliel de Carvalho, na Praça, agora em ruínas, que também construiu uma habitação e uma capela mais a norte, na Praia de nossa Senhora de Fàtima, que hoje foi completamente restaurada. Foi em 1818 que o forte Duque de Bragança, fez a construção no ilheu  (pequena ilha)  para evitar ataques como aqueles que, em 1815 e 1817, foram lançados contra Sal Rei pelos Sul americanos e inglêses em 1818.